Empresário de Jacobina morre em acidente de carro na BR-324

O empresário Guionaldo Oliveira morreu na tarde deste sábado (8), por volta das 17h, depois de sofrer um grave acidente de carro na BR-324, próximo ao posto da Polícia Rodoviária Estadual. De acordo com o site Augusto Urgente, Guionaldo perdeu o controle da direção e o carro capotou. O empresário era dono das empresas G Projetos e Imobiliária Payayá e voltava de uma visita a um amigo em Caatinga do Moura. No caminho para Jacobina, onde morava, sofreu o acidente. Segundo a publicação, Guionaldo não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Governo inicia obras de contenção de encostas em Marechal Rondon

O governador Rui Costa assina, nesta segunda-feira (10), a ordem de serviço que autoriza o início de obras de contenção de encostas na Rua Lígia Maria, no bairro de Marechal Rondon, no Subúrbio Ferroviário de Salvador. Serão investidos, ao todo, R$ 3,84 milhões oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). As obras, que beneficiam os moradores da região, serão executadas pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).

Dilma realiza nesta noite reunião ministerial no Alvorada

A presidente Dilma Rousseff realiza hoje à noite, no Palácio da Alvorada, uma reunião ministerial. O vice-presidente Michel Temer, que é o articulador político do Planalto, também deve participar, assim como o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), e outros ministros do "núcleo duro" do PT . O encontro ministerial está previsto para começar às 19 horas. Tradicionalmente, reuniões como essa ocorrem às segundas-feiras, mas amanhã a presidente não estará em Brasília, pois cumprirá duas agendas no Maranhão. Às 11h30, Dilma participa de cerimônia de inauguração do terminal de grãos no Porto do Itaqui e, às 14 horas, entrega 2.020 unidades habitacionais do "Minha Casa, Minha Vida". Diante do agravamento da crise política, a reunião não poderia esperar e terá de ser realizada neste domingo (9), Dia dos Pais. Na última quinta-feira (6), Dilma se reuniu Michel Temer, Padilha e o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para discutir a delicada relação com a Câmara dos Deputados, na qual o Planalto vem sofrendo sucessivas derrotas, inclusive em matérias relacionadas ao ajuste fiscal. Na semana passada, por exemplo, os deputados aprovaram as contas governamentais dos ex-presidentes Itamar Franco (1992), Fernando Henrique Cardoso (2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2006 e 2008), abrindo caminho rumo à apreciação das contas de 2014 do governo Dilma Rousseff, sobre as quais pesam as acusações das "pedaladas fiscais". As contas de Dilma, entretanto, ainda precisam passar pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Por ora, o governo aposta no Senado Federal para barrar o avanço das propostas negativas. O Planalto acredita que o perfil dos senadores - mais velhos, experientes e, em muitos casos, ex-governadores e gestores públicos - os torna mais sensíveis às consequências dessas matérias. Na noite da última quinta-feira, inclusive, Dilma pediu ajuda ao presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL), para ajudar o Planalto a desarmar uma série de "bombas fiscais" em tramitação no Congresso Nacional.

Em final surpreendente, Inês e Beatriz podem terminar como casal em Babilônia

Polêmica em seu início, "Babilônia" também poderá ser polêmica até em seu fim. A novela, que apostou bastante em temas como a homossexualidade, poderá ter um final surpreendente, segundo informações do colunista Flávio Ricco. As inicialmente vilãs Inês e Beatriz poderão formar mais um casal homoafetivo e terminar juntas na trama de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga. Vale ressaltar que a quantidade de núcleos e cenas relacionadas ao tema foi apontada como o principal motivo para a baixa audiência da novela, que deve terminar com os piores índices da história do horário das nove da Globo, após sofrer uma espécie de boicote por parte de setores mais conservadores da sociedade. Diferente de outras telenovelas que abordaram o tema, logo no primeiro capítulo as personagens interpretadas por Fernanda Montenegro e Nathália Timberg protagonizaram um longo beijo, cena apontada como a responsável pelo início da trajetória infeliz de "Babilônia" na audiência.

Não vou polemizar com pessoas que estou investigando', diz Janot sobre Collor

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não quis falar sobre as acusações e xingamentos que recebeu do senador Fernando Collor (PTB-AL), nesta semana. "Não vou polemizar com pessoas que estou investigando. O que eu posso dizer é que há algum tempo que não advogo, mas continuo inscrito na OAB. E também não vou comentar nem sobre esse fato e nem contra a honra da minha mãe", falou. Ele também defendeu a delação premiada nas investigações de corrupção. "Não gosto da carga do nome delator, então prefiro chamar de colaborador. Ele não é um caguete, um X9, que fala mal do outro e sai bem na história. Ele também é condenado. A colaboração premiada não serve de prova, mas te dá todas as circunstâncias para o caminho da prova", declarou. Segundo ele, a colaboração premiada não é totalitária e não pode ser banalizada. "Vamos insistir nesse instrumento que é poderoso, republicano, democrático, espontâneo e deu certo em países como Inglaterra, França, Estados Unidos, Portugal. Com ele, diminuímos as tentativas e os erros", ressaltou. O procurador disse que hoje o acordo para quem faz colaboração premiada é pena, em termos de regime de cumprimento. "Antes fazíamos acordo de redução de pena", explicou. Janot também se declarou contra a redução da maioridade penal. "Acho contrassenso. Estamos na contramão da história, porque não será feito nada em segurança pública, devido à solução que vai estar dada", disse. Sobre a Operação Lava Jato, o procurador apenas comentou que até o momento há R$ 6 bilhões repatriados e/ou bloqueados em instituições financeiras. "Na Operação Lava Jato, a Petrobras não é autora de crime. Ela é vítima da ação dessas pessoas", ressaltou. Ele ainda comentou que a atividade do Ministério Público não tem nada a ver com política, nem partido, "nem panelaço". "Fazemos investigação técnica. Não fazemos investigação escolhendo acusados. As instituições brasileiras estão maduras e agem e reagem de forma profissional. Elas estão fortalecidas e aí fortalece também a República", falou, descartando a tese de que haja golpe com as investigações das operações contra a corrupção. Janot se mostrou otimista com o Brasil. "Olha o tanto que a gente evoluiu. Não dá, por uma circunstância de momento, achar que é o fim do mundo. São nesses momentos que a sociedade tem que se reafirmar. E a prova está nas outras graves crises que a gente superou. Eu não saio daqui (do Brasil) por dinheiro nenhum", falou.

Em Salvador, procurador da Lava Jato lança campanha de combate à corrupção

Coordenador da força-tarefa do Ministério Público do Paraná que atua na Operação Lava Jato, o procurador Deltan Martinazzo Dallagnol esteve em Salvador nesta sexta-feira (7) para lançar a proposta do Ministério Público Federal (MPF) para o combate à corrupção e à impunidade. "Jamais tivemos uma sociedade tão sensível à corrupção e um volume tão grande de provas contra pessoas envolvidas com irregularidades", afirmou, de acordo com o jornal A Tarde. Segundo Dallagnol, o momento que o Brasil vive para implantar medidas anticorrupção é uma "janela de oportunidade", o que justifica a iniciativa do MPF, que recolhe 1,5 milhão de assinaturas para que as medidas sejam transformadas num projeto de lei de iniciativa popular a ser enviado ao Congresso Nacional para discussão e aprovação. Acompanhado por outro procurador da força-tarefa do Paraná, Roberson Pozzobom, Dallagnol ainda fez um breve balanço da Lava Jato, com um volume de R$ 870 milhões desviado sendo recuperado e 30 executivos condenados.

Família morre em acidente na BR-116, próximo a Itatim, quando ia para um velório

Um acidente no Km 516 da BR-116, próximo a Itatim, resultou na morte de quatro pessoas da mesma família nesta sexta-feira (7). Segundo a Polícia Rodoviária Federal de Milagres, Reginaldo Cardoso Macena, Marineide Cardoso Macena, Maria Cardoso Macena e Railton Cardoso de Almeida morreram após o carro em que estavam desviar de uma carreta prancha, que invadiu a pista para adentrar no estacionamento de um posto e colidir com um caminhão cegonha que vinha na contramão. De acordo com o Blog Marcos Frahm, os corpos das vítimas, que iam para um velório na cidade de Santa Teresinha, foram encaminhados para o Instituto Médico Legal de Feira de Santana.

Bancada do PMDB faz abaixo-assinado para que Temer deixe articulação do governo federal

Apesar do vice-presidente Michel Temer (PMDB) ter negado que tenha “pedido para sair” da articulação política do governo de Dilma Rousseff (PT), a ideia não foi completamente abandonada pelos seus correligionários. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, parte da bancada da sigla na Câmara dos Deputados organizou um abaixo-assinado pedindo a sua “renúncia” ao cargo. Apesar de ela não ter ido à frente para não constranger Temer, a possibilidade deve ser rediscutida na reunião da bancada na próxima semana.

Passagem do VLT será mais cara do que a dos trens do subúrbio, diz secretário do governo

A passagem do VLT que substituirá o atual sistema de trens do Subúrbio Ferroviário será mais cara do que é cobrado atualmente, afirmou o secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster. “A passagem atual é absolutamente inexequível para qualquer sistema de transporte. Não cobre nem o custo da vigilância”, afirmou, de acordo com o jornal A Tarde. De acordo com Dauster, o aumento do preço é justificado pelo maior conforto, qualidade do transporte e a periodicidade das linhas, além da integração aos demais meios de transporte, como metrô e BRT. “Teremos entre 165 a 170 km de trilhos em Salvador até 2017, contando com o metrô. Os corredores farão uma revolução no sistema de mobilidade da capital porque todas as pessoas poderão circular de um ponto a outro da cidade de forma muito mais fácil”, aposta.

TCU detecta sobrepreço de R$ 406 milhões em construção de base naval e estaleiro

O Tribunal de Contas da União (TCU) detectou em auditoria sigilosa sobrepreço de R$ 406 milhões na construção da Base Naval e do Estaleiro da Marinha, em Itaguaí (RJ). Tocado pela Odebrecht, investigada na Operação Lava Jato, o empreendimento integra o programa que prevê a operação, até 2025, de quatro submarinos convencionais e um de propulsão nuclear que será o primeiro a operar no Brasil. O valor a ser pago pelas obras civis já aumentou 60% desde 2008. Por ora, a empreiteira recebeu R$ 6,1 bilhões. O projeto tem como um dos mentores e espécie de supervisor o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, considerado o "pai" do Programa Nuclear Brasileiro. Presidente da Eletronuclear até o fim do mês passado, ele pediu demissão após ser preso pela Polícia Federal, acusado de receber propina de construtoras, entre elas a Odebrecht, nas obras da Usina de Angra 3. Os indícios de que o valor da construção da Base Naval e do Estaleiro está inflado são os primeiros a surgir. A "gordura" no orçamento foi detectada após análise do TCU sobre as planilhas entregues pela Marinha. Diante da constatação, e tendo em vista a participação da Odebrecht no projeto, o tribunal decidiu fazer, em caráter de urgência, uma fiscalização conjunta com a PF, o Ministério Público Federal e a Receita Federal para apurar eventuais ilegalidades no programa. Os órgãos, envolvidos na Lava Jato, já apuram suspeitas de irregularidades no empreendimento. O valor original das obras da base naval e do estaleiro era de R$ 4,9 bilhões. Além do sobrepreço no orçamento, os auditores analisam alterações de projeto que forçaram a celebração de aditivos contratuais, elevando o preço a ser pago para R$ 7,8 bilhões. A planta e os detalhes atualmente em execução foram aprovados em 2012 pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), que atua como órgão regulador e avalia aspectos de segurança.

O programa dos submarinos ganhou corpo em 2008, graças a um acordo assinado entre Brasil e França. A negociação foi feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o então mandatário francês, Nicolas Sarcozy. Além do estaleiro e da base, o plano prevê a transferência de tecnologia ao País para a construção dos cinco submarinos, entre os quais o de propulsão nuclear, maior ambição dos militares brasileiros - atualmente, só seis nações operam com esse tipo de veículo militar. Após as negociações com Lula, a empresa francesa DCNS, responsável pela transferência da tecnologia, formou consórcio com a Odebrecht para projetar e desenvolver os submarinos. A empreiteira também foi contratada para a construção do estaleiro e da base naval. Não houve licitação para a escolha da parceira brasileira. A Marinha alega que não cabe a abertura de concorrência nesses casos, por causa do sigilo que, "necessariamente", reveste projetos como o dos submarinos. "Trata-se de plantas de instalações nucleares militares, envolvendo características que não podem ser objeto de divulgação pública", justifica. A Marinha sustenta que não houve participação do governo brasileiro na escolha da empreiteira. "Como as obras civis de construção do estaleiro e da base seriam realizadas no Brasil, somente uma empresa nacional poderia fazê-lo. Daí resultou a necessidade de a DCNS se associar a uma empresa brasileira de grande porte que pudesse fazê-lo. A seleção da Odebrecht como parceira na empreitada foi de livre escolha da DCNS, que, para tanto, empregou critérios próprios", assegura. A Marinha alega que, "evidentemente", pesou na suposta decisão dos franceses o fato de a Odebrecht, nos anos 1980, "ter construído a Base Naval de Mocanguê e ter participado, ainda, da construção das usinas nucleares de Angra dos Reis, além de ser reconhecida internacionalmente como capaz de executar obras civis e atividades industriais complexas". Tanto a construtora quanto a Marinha apresentaram justificativas para os preços, o que está sendo analisado pelo TCU.

Coreia do Norte atrasa relógio para fixar hora oficial; mudança tem razão histórica

A Coreia do Norte anunciou nesta sexta-feira (7) que pretende criar um fuso horário próprio a partir da semana que vem. O horário oficial será atrasado em 30 minutos no próximo dia 15 de agosto (passando a GMT +8h30), data em que o país vai celebrar os 70 anos da libertação do domínio colonial japonês. O fuso GMT +8h30 era o horário de toda a Coreia até 1912 e foi adiantado em meia hora pelo Império Japonês, que dominou a península entre 1910 e 1945. Atualmente, Coreia do Sul, Japão e Coreia do Norte têm o mesmo fuso. "A instituição de um horário próprio de Pyongyang servirá para erradicar de vez a memória do passado colonial", informou a agência de notícias local KCNA. A agência também disse que a decisão de "privar a Coreia do Norte de seu horário é um dos crimes imperdoáveis cometidos pelos imperialistas japoneses." A notícia, no entanto, foi recebida com ressalvas pela vizinha Coreia do Sul. "É provável que a medida provoque problemas às pessoas que frequentam a zona industrial de Kaesong", disse o porta-voz do Ministério da Unificação, Jeong Joon-hee.

Prefeitura faz ‘faxinaço’ contra Aedes aegypti em bairros de Salvador

A prefeitura de Salvador começa, neste fim de semana, um “faxinaço” contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e da febre chikungunya. Entre as 8h e as 15h desta sexta-feira (7), sábado (8) e segunda (10), cerca de 80 profissionais da Secretaria Municipal da Saúde e da Limpurb estarão envolvidos na ação nas localidades Estrada das Barreiras, Calabetão, Jardim Santo Inácio, Arenoso, São Gonçalo do Retiro, Baixinha do Santo Antônio, Cabula, Arraial do Retiro e Santa Luzia do Lobato. Durante o mutirão de limpeza, os moradores das localidades devem colaborar com a iniciativa descartando entulhos e materiais inservíveis que podem ser colocados em frentes as suas casas para recolhimento. Os agentes também intensificarão as visitas nas casas e a vistoria de depósitos elevados como caixas d'água e calhas para identificação e eliminação de larvas dos mosquitos. Desde o início da ação, já foram visitados 15 bairros do município, recolhendo aproximadamente 210 toneladas de lixo nas localidades, além de visitar mais de 2.300 imóveis e eliminar cerca de 5 mil focos do vetor. De janeiro a agosto de 2015, a capital baiana registrou 478 casos de dengue. No mesmo período do ano passado, foram confirmadas 2.053 pessoas infectadas. A Vigilância Epidemiológica da SMS confirmou, ainda, três casos de zika vírus nos primeiros sete meses deste ano, enquanto outras 17 mil ocorrências suspeitas seguem sob análise. No caso da chikungunya, a prefeitura contabiliza quatro casos em 2015.

Ministros do TCU criticam posição de Aroldo Cedraz sobre caso que envolve filho

Com o filho Tiago Cedraz acusado pelo empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC, de ter vendido informações privilegiadas do Tribunal de Contas da União (TCU), o presidente do TCU, Aroldo Cedraz, tem sido criticado por colegas ministros. Segundo a Coluna Radar, da Veja, os pares de Aroldo Cedraz questionam a forma com que o presidente da Corte de Contas conduz o caso do filho. Segundo o colunista Lauro Jardim, os ministros pedem que Tiago se pronuncie publicamente sobre o caso. Aroldo Cedraz também não abre a boca.

Temer tenta entregar articulação do governo, mas Dilma rejeita: ‘Michel, você fica’

O vice-presidente da República Michel Temer (PMDB) teria informado que irá deixar a articulação política do governo de Dilma Rousseff (PT), de acordo com a Valor Pro. De acordo com a agência de notícias, Temer afirmou que “já cumpriu o seu papel” no cargo, que oficialmente pertence a Eliseu Padilha e o PMDB. O vice argumentou com a presidente que não queria causar transtornos para o governo, e que, se estivesse atrapalhando, poderia deixar a articulação política que assumiu em março. Isso não significaria, contudo, um rompimento do PMDB com o governo de Dilma. De qualquer forma, segundo a Folha de S. Paulo, a presidente rejeitou a proposta do vice-presidente. ''Michel, você fica'', teria dito Dilma, segundo assessores do governo.

Terceiro uniforme do Bahia será cinza em homenagem ao 'Tricolor de Aço'

O Bahia adotou o clima total de mistério. Sem revelar cores ou formato da camisa, o clube anunciou que apresentaria o terceiro padrão de jogo na noite desta sexta-feira (7), contra o Boa Esporte, na Arena Fonte Nova. O suspense, quanto ao modelo, terminou no início da tarde, o que pegou o clube de surpresa. A nova camisa produzida pela Penalty vazou nas redes sociais e terá uma cor diferente das anteriores: cinza. A blusa, predominantemente cinza, tem listras na horizontal e está relacionada ao apelido de 'Tricolor de Aço'. As cores azul, vermelho e branco aparecem apenas como detalhes da manga do padrão que será usado no jogo desta sexta-feira (7). O material está sendo comercializado desde o início da semana por R$ 179,90 e R$ 159,90 (feminina), e continuará à venda para os tricolores durante a realização do jogo na Arena Fonte Nova, e a partir deste sábado (8) nas lojas credenciadas ao clube.

Autoridades dos EUA dizem que aulas em escolas começam cedo demais

Alunos de ensino fundamental e médio iniciam seus dias escolares cedo demais, o que faz com que não tenham tempo suficiente para um maior sucesso acadêmico. Essa informação foi apontada em um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, publicado nesta quinta-feira (6).

Lula desmente jornal e diz que 'PT não precisa ser salvo'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou na quinta-feira (6), que tenha dito que "nem melhora da economia salva o PT", conforme publicado pelo jornal "O Estado de S. Paulo" na quinta-feira. A reação do petista foi registrada em uma publicação feita por ele em sua conta no Facebook na tarde de quinta-feira. Lula escreveu que "o PT não precisa ser salvo porque tem força para superar as atuais dificuldades, como superou no passado". Reportagem do jornal, publicada na edição de quinta-feira, relatou reunião do ex-presidente com deputados estaduais e dirigentes petistas, em São Paulo. Segundo presentes, o ex-presidente teria comparado os efeitos do escândalo do mensalão sobre o governo, em 2005, com as repercussões da Operação Lava Jato na gestão Dilma. Durante a reunião, Lula teria avaliado que, enquanto em 2005, o bom desempenho da economia ajudou o PT a superar a tempestade e vencer a eleição do ano seguinte, agora, os efeitos da operação da Polícia Federal não poderiam ser suplantados nem por uma repentina e milagrosa melhora da economia sob o governo Dilma Rousseff. Conforme o cenário projetado pelo ex-presidente, a diferença seria que, desta vez, existem indícios de enriquecimento pessoal dos envolvidos nos desvios da Petrobras, ao contrário do que ocorreu no mensalão, cujo objetivo, segundo os relatos, seria financiar o "projeto político" do PT.

Eu não afirmei em reunião com deputados que “nem melhora da economia salva o PT", como foi publicado no jornal O Estado...

Posted by Lula on Quinta, 6 de agosto de 2015

Móveis Colorado

Informações Adicionais